Agile Change Management: qual é a melhor alternativa para certificação?

O ambiente organizacional pode ser muito desafiador e complexo para a maioria dos profissionais.Pode haver resistências, falta de colaboração e falhas na implantação de sistemas ou mudanças de processos. Para aumentar as chances de sucesso nos projetos e programas, é fundamental desenvolver as soft skills, muitas vezes combinadas ao ágil e usando alguma certificação em gestão de mudanças, mas você saberia dizer qual é a melhor certificação para o seu caso?

É comum que gestores se deparem com impedimentos na forma de lidar com as pessoas e manter seus times motivados, gerando mais produtividade e resultados mais eficientes. Para trabalhar isso, certificações são oferecidas por instituições reconhecidas e admiradas em todo o mundo, mas ainda há dúvidas sobre qual escolher.

Se você não sabe qual é a mais aplicável ao seu caso, veja, a seguir, as nossas dicas e entenda a diferença entre as certificações!

Diferenças entre metodologias preditivas e ágeis para gestão de mudanças

O primeiro ponto a se ter em mente é que gestão de mudanças diz respeito a gerir engajamento, insegurança, motivação, antagonismo, etc. Estes são fatores humanos que independem da metodologia do seu projeto, se é preditiva ou ágil.

A principal diferença entre a metodologia de gestão de mudança preditiva e a ágil ocorre no nível operacional, onde se executam as atividades ou os sprints. A forma de organização de um projeto ágil supõe a existência de canais de comunicação que não necessariamente estão presentes num projeto preditivo. O mesmo vale para a própria estruturação organizacional do projeto.

A maioria das empresas que conduz projetos com metodologias ágeis ainda realiza o planejamento estratégico e o desdobramento de metas de forma preditiva, adotando metodologias ágeis apenas onde elas trazem benefícios comprovados em relação às preditivas. Se você vai operar mais no nível operacional, talvez a certificação numa metodologia ágil de gestão de mudanças faça mais sentido; já se for atuar também no nível tático e/ou estratégico, valerá mais a pena a certificação numa metodologia preditiva. Considere também a possibilidade de obter as duas certificações.

Como escolher uma empresa para a certificação?

Se você considera obter a certificação ágil ou ambas, fique atento às ofertas. Nem todas as empresas oferecem certificações independentes. Algumas delas somente adaptaram seu material e não agregam real valor.

Outro ponto importante, claro, é o preço. Pesquise e procure se informar sobre eventuais descontos para realização de mais de uma certificação.

Por último, entenda seu mercado. Qual é a certificação que você vê com mais frequência entre seus pares? Na sua região geográfica de atuação? No seu segmento de negócio? Não adianta ter a certificação mais reconhecida no leste europeu se os seus clientes e parceiros estão todos na América Latina.

Quer ir mais a fundo nas diferenças?

Vamos tomar como exemplo um dos institutos mais prestigiados no Brasil e no mundo: o HUCMI® – HumanChange Management Institute. Eles oferecem dois níveis de certificação em gestão de mudanças em abordagens preditivas e uma certificação em abordagens ágeis. Existe um livro guia exclusivo para cada abordagem e os processos de certificação também são independentes, ou seja, você pode se certificar em abordagens ágeis e não nas preditivas e vice-versa. As certificações são oferecidas em combo: ao se inscrever no treinamento, o valor do exame de certificação já está incluído.

CERTIFICAÇÃO ABORDAGEM LIVRO GUIA
HCMBOK 3G – Practitioner Preditiva HCMBOK: O Fator Humano na Liderança de Projetos
HCMP 3G – Professional Preditiva HCMBOK: O Fator Humano na Liderança de Projetos
HCMBOK-A Ágil Gestão de Mudanças em Abordagens Ágeis

O HCMBOK está estruturado em seis etapas principais que seguem a evolução de um projeto preditivo:

  • Iniciação e planejamento
  • Aquisição
  • Execução
  • Implantação
  • Encerramento
  • Produção

Além das macroatividades (e atividades) distribuídas nas seis etapas acima, há macroatividades recorrentes, aquelas que devem ser realizadas durante todo o transcurso do projeto:

  • Planejar e gerir a comunicação
  • Formar espírito de equipe e realizar dinâmicas de reforço
  • Estimular processos participativos
  • Gerir conflitos, motivação, estresse e comportamentos
  • Estimular a criatividade e a inovação
  • Gerir stakeholders

A gestão de mudanças em abordagens ágeis se vale das mesmas macroatividades recorrentes. A diferença está nas atividades relacionadas ao ciclo de vida do projeto, pois estas diferem quando se compara abordagens preditivas e ágeis;mais especificamente, na forma de abordar as ações determinadas no PEGM – Plano Estratégico de Gestão da Mudança.

Nas abordagens ágeis, estas ações se dividem em:

  • Macroatividades estáticas
  • Macroatividades híbridas
  • Macroatividades dinâmicas

A divisão acima reflete a realidade dos projetos ágeis na maioria das empresas, onde há um planejamento mais preditivo em nível estratégico, cujos resultados esperados se desdobram, aumentando o grau de agilidade conforme ocorre o desdobramento até chegar ao nível dos projetos.

E aí? Ficou mais fácil escolher a certificação que mais se ajusta ao seu caso?Conte com a DC-Dinsmore Compass para aprimorar suas habilidades como gerente de projetos e escolher a melhor abordagem de acordo com as suas necessidades.

Artigo escrito por Fábio Teixeira de Melo

Publicado pela DC DinsmoreCompass

https://www.instagram.com/dc_dinsmorecompass/