Pular para o conteúdo
Categorias:

O Papel do Líder na Disciplina Gestão de Mudanças

Mudanças em geral trazem algum desconforto e muitas vezes a percepção de perda. A resposta humana mais frequente é percebermos tudo que perderemos, antes de valorizarmos os benefícios da mudança.

Os líderes de mudanças precisam compreender que mudar não é um evento, mas sim uma jornada, um processo que nem sempre é simples para o ser humano.

Mesmo que venhamos a perceber diversos benefícios e sejamos capazes de compreender que a mudança é necessária, o ciclo da mudança possivelmente passará por diversas etapas, tais como: raiva, negação, barganha e depressão, e precisará de tempo para ser assimilado. O que se espera é que passada esta etapa de dificuldades, a pessoa entre na fase de aceitação, ressignificando sua vida em relação às mudanças introduzidas.

Ninguém tem o poder de mudar o outro, mas todos nós temos a responsabilidade de criar o ambiente saudável para que a jornada da mudança seja menos dolorosa e ocorra no menor tempo possível.

Diversas boas práticas para liderar mudanças organizacionais, que comentaremos nos próximos artigos, formam esta moldura favorável ao processo de mudança.

O tempo de assimilação de uma mudança varia de pessoa para pessoa. Há pessoas que são naturalmente mais resilientes e adaptativas. Entretanto, mesmo essa pessoa, que responde positivamente à uma mudança, frente a outro cenário de transformação pode não se adaptar com a mesma facilidade. Cada cenário de mudança é único e toca um ser humano de maneira diferente.

O comportamento humano é complexo por definição e cada um de nós traz as suas peculiaridades. Aquilo que é simples e óbvio para você, pode não ser para outra pessoa. Como compreender, por exemplo, o que sente uma pessoa que tem Lachanofobia (fobia, aversão ou medo irracional de vegetais), diante de uma plantação de alfaces?

A empatia é a mais importante habilidade para os líderes de mudanças. Empatia aqui vai além de se colocar no lugar do outro, já que não somos capazes de reproduzir os sentimentos e emoções de outra pessoa. Neste caso, empatia significa um respeito incondicional pela dificuldade de alguém em lidar com as mudanças.

No campo das mudanças organizacionais, é possível que algumas pessoas apresentem medo e insegurança psíquica, enquanto outros demonstrem alto engajamento. Cada caso é um caso, cada ser humano uma pessoa com seus paradigmas e percepções individuais.

No próximo artigo trataremos do LÍDER COMO PATROCINADOR DAS MUDANÇAS. Este é o seu papel principal e indelegável. Até breve!

Quer saber mais sobre como gerenciar e liderar as mudanças organizacionais?
Visite nosso site https://hucmi.com/ e veja a agenda de treinamento e certificação em Gestão de Mudanças.
Siga-nos nas redes sociais: https://linktr.ee/hucmi

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
YouTube
LinkedIn
LinkedIn
Share
Instagram